Barrados no Braille


Arquinho Bagunçado, Trêmulo e Psicato



Não pensem que estou tentando descrever alguma síndrome, ou mesmo algum episódio funesto. No título dessa crônica, há apenas três novas metáforas que começam a fazer sentido na vida de uma violinista que, do alto dos seus sete anos, fará hoje seu primeiro ensaio com a Sinfônica Infantil do Espaço Cultural.

 

Quando Gabriela chegou ao mundo, naquele 24 de março de 2004, o único indício da sua determinação era o choro: Alto, agudo, choro em si maior, límpida sinfonia de quem queria respirar, testar seus pulmões, encontrar seu assento definitivo na vida. Com pouco mais de um ano e dois meses,encolheu os ombros e provou que já sabia falar. E com suas pequenas mãos de fadinha, foi arrancando da vida suas fatias de realizações.

 

Sensível, inteligente, Gabriela as vezes espanta-se do mundo, e deixa adultos espantados, na porta da escola, quando reivindica o seu direito de chorar, esse choro de vontade de ser criancinha pequena, deixar-se ficar encostada em alguma almofada de sonho. Chorar um pouquinho, para depois retomar sua intenção de surpreender, surpreender, sempre. Gabriela dança balé, Gabriela prepara massa colorida, na sua casinha de invenção de cabelos para os seus bonecos.

 

E, surpresa das surpresas, quando Gabriela é toda silêncio, escondida por trás da estante, surpreende aos adultos, com um grossso livro que mal segura, aberto entre os braços. Gabriela surpreende a esquadrinhar a palavra logarítimo, como se fora bailarina, um pé esticado, quase tocando o mistério insondável dos números.

 

“Arquinho bagunçado”, “Trêmulo” e “Psicato”. São as novas metáforas que Gabriela aprendeu, para tocar sua”Nuvenzinha”, o violino que ganhou do avô, quando completou seus sete anos.

 

Primeiro dia de ensaio, café da manhã frugal, vegano. “eu como pouco, como o meu pai”, constata ela.Violino ao ombro, sorriso na cara, passo comprido, pois quer encurtar a distância entre sua casa e o espaço cultural. “Asa Branca”, sinfonia de cordas, porque o mergulho de Gabriela, no mar da vida, é estética pura, poética de mil faces, vai Gabriela, toca tua “nuvenzinha”, arquinho bagunçado, psicato límpido e forte, como o teu caminhar.



Escrito por Joana às 09h20
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ] Compartilhar


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
Meu perfil





BRASIL, Nordeste, JOAO PESSOA, Mulher, de 46 a 55 anos, Portuguese, Spanish, Livros, Informática e Internet, Vinhos



Histórico


Votação
Dê uma nota para
meu blog



Outros sites
 poesia-sim
 Blog da Elaine
 Blog da Elaine